A divindade do amor

 


 

 

     Somos a gente da terra. Enviados como mensageiros do arco de íris. Somos um fluxo continuo da mais pura energia. Somos partículas transcendentais da meditação criadora e por isso temos em potência tudo aquilo que pode transformar as diversas realidades.

     Em minhas meditações acerca da vida tendo como premissa a idéia de um Todo que ordena e permite as infinitas manifestações e até mesmo o não manifesto, descobri empírica e racionalmente a necessidade de se viver sob a lei divina do amor. Divina não porque se encontra acima da gente da terra, na mão dos deuses, mas pelo contrário, porque habita em tudo, como aquele sopro que a tudo penetra, e tem o poder de transformar um homem em um Deus.

     Aquele que age de acordo com a lei divina do amor, tem a mente limpa e o coração tranqüilo, não é afetado pelos devaneios egóicos, mas sim guiado pelos sonhos mais lindos de uma felicidade eterna, que se dá somente no presente.

     O passado e o futuro são apenas estruturas criadas pela superfície do Eu, que não tem a capacidade de apreender as infinitas possibilidades que somente o presente pode propor-sonhar (proporcionar).
O amor é como um cisco de compreensão que completa as existências e as reúne em sua magia, no mundo visível e na complexidade do mundo invisível

     Na verdade o que sustenta a magnitude desse amor é a invisibilidade que permite com que ele se espalhe, na doação mutua e verdadeira, até mesmo em meio a tantas mazelas e doenças espirituais do mundo contemporâneo. O amor em sua força sublime, em sua divindade autêntica, é a pura manifestabilidade.

     Toda a criação faz um percurso que vai do mundo manifesto ao não manifesto, e o amor como força criadora e potência de transformação é esse próprio percurso, pois somente ele pode emancipar.

     É através da abertura espiritual em relação a tudo que existe que podemos conhecer esse amor, e uma vez depois de conhecido ele enche as almas de luz e expande as existências para um campo de leveza, onde tudo se enche de beleza aos olhos que antes estavam cegos. Somente o amor pode curar a dor do Todo, porque ele é o todo-penetrante, o princípio e o fim, a sabedoria e a justiça do mundo.

     Essas são umas poucas palavras a respeito do amor, e com elas torna-se possível para quem compreendê-las uma mudança transcendental. Transcendental no sentido de que acontecerá na matéria e além dela, em uma dimensão completamente maravilhosa.

AMÉM...

 

QUEM É MORENA PISSOLATI

Tenho comigo a certeza de que sou, e no meio da bagagem entre flores, as lembranças do que eu era.
Agora vou partir, entregar-me ao mundo novo onde um pouco de atenção equivale a um tesouro.
Pelas ruas andarei, em busca de sombra e água limpa, elevando a doce arte, ao seu estado mais sublime.
E em troca naturalmente, pela liberdade de quem sente, sentirei o prazer de fazer, simplesmente! (Pela Arte)


PUBLICAÇÕES
* Sopro (poesia) / edição independente, 2007, 68 páginas.

 

 

CONTATO: O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

 

 

CONHEÇA O TRABALHO DA AUTORA

 

 

CIRCULAR

O picadeiro está armado
O espetáculo já vai começar
Tem claves voando pra todos os lados
e gente que ama querendo voar.

Corda bamba de equilibrista,
e em cima da cabeça um chapéu calvo
tem a flor que é malabarista,
e o poeta que nunca erra o alvo.

Perna torta de pau e fita
Pintura colorida do senhor palhaço
E da cartola a pomba apita,
que o nosso circo é também o nosso laço.

Ai meu Deus cambalhotas de alegria!
Pirueta com bastão de fogo encantado
Flauta mágica ensinando a melodia,
faz da vida um grande ritmo engraçado.”

(Extraído do livro “Sopro”)